Resistam homens do ocidente.



Na série de livros “O senhor dos Anéis” de J. R. R. Tolkien enquanto os restantes dos sobreviventes estão diante dos portões de Mordor, lar de Sauron e dos orcs que avançam sobre o povo livre.  

Podemos fazer um paralelo bem interessante entre o que está acontecendo hoje com o mundo ocidental com o que acontece em “O Senhor dos Anéis”. Enquanto os orcs matam e saqueiam as pequenas cidades Saruman, líder da ordem dos magos e o mais prestigiado entre os sábios minimiza as ações dos agressores dizendo se tratarem de casos isolados e que os orcs são desorganizados. Vocês conseguem notar a semelhança dessas falas com os pronunciamentos dos “especialistas” políticos dos grandes veículos de informação que a todo momento tratam os ataques dos muçulmanos como obra de “lobos solitários” de que não estão organizados e que isso não traz grande perigo. Lá também nós vemos outras esferas da nossa sociedade. Os elfos e os anões parecem não se importar muito com o que está acontecendo aos homens e estão mais preocupados com seus assuntos pessoas do que em montar uma aliança para combater o mal crescente. 

Com o avanço da história Saruman se provou um traidor quando foi descoberto que o mesmo havia se aliado a Sauron e tramava junto com ele o domínio sobre todos os povos. Saruman acredita que reinará junto com Sauron, mas é alertado por Gandalf que o senhor do escuro não divide o poder.

Tolkien teve uma educação católica e muito dos valores cristãos estão inseridos em seus livros, principalmente em “O Senhor dos Anéis”, mas uma fala do filme me chamou a atenção. Depois de derrotar os orcs e outras forças aliadas a Sauron vindas do ORIENTE o restante dos homens marcham para a porta de Mordor a fim de criar uma distração para que Frodo e Sam tenham a chance de cumprir a missão de destruir o Um.

“Filhos de Gondor, de Rohan, meus irmãos. Vejo em seus olhos o mesmo medo que tomou o meu coração. Poderá vir um dia em que a coragem dos homens termine, quando desertamos nossos amigos e trairmos os laços de amizade, mas este dia não é hoje. Uma hora de lobos e escudos despedaçados, quando a era dos homens for destruída, mas este dia não é hoje, hoje nós lutamos por tudo que amamos nesta bela terra eu peço que resistam, homens do ocidente. ”

E é justamente neste momento em que nós nos encontramos, cercados de inimigos por todos os lados, mas nós resistiremos a lutaremos ou vamos nos deixar vencer pelas hordas inimigas que estão avançando contra nós? É chegado o momento de nos mostrarmos de verdade de termos orgulho de sermos o que somos e afirmamos isso com veemência, sem medo de sofrer retaliações.

Comentários